segunda-feira, 31 de março de 2008

Cheesecake de limão.

Tinha um monte de limão aqui em casa (desde o jantar mexicano) que ia estragar...na verdade eu queria fazer um sorvete com ele, mas não achei nenhuma receita que evitasse o creme de leite fresco, que aqui em Recife é de péssima qualidade, então resolvi fazer um cheesecake, inspirada naquele que comi no Nakaffa no fim de semana e que deixou saudades.

Peguei a receita da massa do Cybercook (que reduzi bastante) e do recheio do Chucrute (da Fer), pois o recheio da Fer estava sob uma base de massa de farofa comprada pronta que não tem aqui no Brasil, então a massa tirei do Cybercook.

Como eu não queria fazer um doce muito grande, já que tudo sobra aqui em casa...reduzi todas as medidas meio no “olhômetro”.


Então para a massa usei só 50g de bolacha tipo maizena batida no processador com 2 colheres de sopa de margarina derretida. Peguei esta farofinha ainda quentinha e moldei só no fundo de uma forma de aro removível forrada com papel manteiga média (nem pequena e nem grande).

Já para o recheio, também diminui a receita da Fer...como só achei cream cheese em embalagem de 150g e a receita pedia 250g.
Coloquei as 150g na batedeira e bati um pouco e depois fui acrescentando bem devagar 2/3 de uma lata de leite condensado até formar um creme liso (não gosto de deixar a lata assim aberta na geladeira só com um resto, porque sempre fica lá sem ter o que fazer, mas com isso me preocupo depois), daí juntei quase que uma colher de sopa de essência de baunilha e 2/3 de xícara de suco de limão que bati na mão só no final.

Despejei este creme por cima da massa que tinha acabado de colocar na forma e levei para a geladeira para gelar. Depois só desenormei e decorei com raspas de limão.

Desenformei com facilidade depois de 3 horas, ficou uma gracinha, mas poderia ter ficado um pouquinho mais durinho eu acho se tivesse seguido a receita à risca ao invés de ir reduzindo no olhômetro...risos, mas o sabor ficou muito bom...azedinho e doce (me lembra aquele chiclete antiiiigo).

Segundo dia em Maceió

No segundo dia acordamos ultra cedo pois queríamos fazer um passeio para bem longe, pegamos o carro e 3 horas depois estávamos em Piaçabuçu, já fronteira com o Estado de Sergipe, para conhecer a Foz do Rio São Francisco, o lugar onde o "Velho Chico" se encontra com o mar.




O passeio vale muito, pois um barco nos leva da cidade até o encontro do rio com o mar, que é lindo de se ver, indescritível, sendo que uma margem do rio é Alagoas e a outra Sergipe (dois Estados separados por aquela beleza de rio). E lá na foz tem umas dunas de tirar o fôlego da gente de tão lindas...passei um dia maravilhoso com a família, tomei banho no Velho Chico e voltei revigorada.



Mas esta história também tem que acabar em comida né? Pois no barco íamos ter uma hora de viagem até a foz, e a embarcação nos serve frutas durante este período: melancia, manga, goiaba, banana, mas de repente 3 frutas que eu nunca tinha visto e nem ouvido falar, que são típicas da região: a Siriguela, o Araça e a Pitomba...todas pequenas como dá para ver na foto. A Siriguela tem caroço, o Araça se come todo, deixando só a coroinha dele e a pitomba se parece com uma mistura de uma e lixia, não devemos comer a casca e quando abre parece uma lixia mesmo.


Depois de todo este passeio e da volta de mais 3 horas, chegamos famintos em Maceió e paramos numa cafeteria muito recomendado também, chamado Nakaffa.


O lugar é pequeno mas muito agradável e lá eu comi um quiche de queijo e bacon, um capuccino "doppio" (com 2 doses de expresso).

de sobremesa um cheesecake de goiabada que me surpreendeu bastante pelo sabor e textura...estava muito bom.


De noite fomos degustar a última refeição na cidade e jantamos num restaurante eleito como o melhor da cidade e especializado em comida peruana - chamado Wanchako.


Pedimos de entrada um prato chamado Conchitas, que eram casquinhas com camarão dentro e com muito parmesão em cima gratinados, um sabor maravilhoso e a apresentação do prato também.

Como eu tinha gostado da lagosta pedi um spaguetti com molho de queijos, levemente apimentado com camarão e lagosta, este não deu nem para tirar foto...hahaha...comemos na hora, mas estava maravilhoso e surpreendeu pela pimenta e o forte sabor de gengibre no molho...AMEI.

domingo, 30 de março de 2008

Fim de semana em Maceió - post comprido mais diversificado.


Esta sou eu lendo a edição da revista Viagem deste mês sobre a cidade de Maceió, e num acesso de loucura, eu e o Frederico resolvemos pegar o carro e bater 3 horas de viagem de Recife até lá no fim de semana (na BR 101) para conhecer mais um pedacinho do Nordeste.

Na revista, além dos inúmeros pontos turísticos, tinha ainda muita indicação gastronômica, de lugares com ótima comida que "deveríamos" visitar. Como em dois dias não dá para conhecer tudo, tivemos que priorizar o que fosse, na nossa opinião, o mais legal.

Então vou contar aqui para vocês como foi o primeiro dia.
Resolvemos ir até a praia do Francês (muito conhecida em Maceió), que é uma parai normal, águas tranquilas (muita alga) e várias barracas tipo restaurante com guarda-sol na praia (não estava muito cheia pois agora por aqui já é baixa temporada).



Este é o cardapio padrão daqui do Nordeste...risos...cardápio vivo eles chamam.

Então comecei as degustações e chamo degustação pois experimentei muita coisa este fim de semana, começando por uma coisa que eu nunca tinha comido na vida...LAGOSTA.
Esta é a lagosta antes de ser preparada.


Depois de servida.


Gostei muito da lagosta, que foi preparada só na manteiga...não me matem aqueles apreciadores da boa comida como eu, mas achei bem parecido com peito de frango, só que mais molhadinho e mais suculento? Já tiveram esta impressão também?

É lógico que como toda cidade de praia, aqui tem aquelas barraquinhas na beira da estrada que vendem doces caseiros típicos da região...nesta barraca da Marilucia achamos cocadas de todos os tipos, tinha cocada de jaca, de maracujá, de gioabada (que foi a que compramos) e mais vários outros tipos...olha a variedade.



Depois da praia estávamos com fome e no caminho para o hotel (já no fim da tarde) paramos numa barraca da orla de Maceió chamada Lopana e indicada pela revista como uma das melhores para comer alguma coisa.



Pedimos um prato chamado provoleta que nos surpreendeu pelo sabor. Era um pedaço grande de provolone derretido na chapa, polvilhado com parmesão e servido com torradinhas de pão sírio...tudo quentinho.



Quanta comilança...não quero nem saber quanto estou pesando...ai...
E você pensa que acabou por aqui o dia? NADA...depois da maratona, banho e uma soneca de 3 horas na pousada, trocamos de roupa e fomo a pé para um restaurante extremamente bem recomendado tanto pelas revistas que lemos, quanto pelo Guia Quatro Rodas...o Divina Gula.


O ambiente é muito agradável e serve comida típica mineira. Decoração rústica muito bonita, garçons super simpáticos e ficamos numa parte do restaurante chamada (Lá de Lá – leia-se lado de lá...risos) pois antes havia só o Divina Gula, depois foi ampliado e chamaram a parte ampliada de Outras Bandas (acho que é isso, não tenho certeza) e depois quando fizeram esta outra área climatizada foi chamada Lá de Lá.



Lá comemos um prato que tinha arroz, tutu de feijão (que vem com torresmo e um ovo frito em cima), carne de porco, lingüiça apimentada, banana a milanesa e couve...comida para um batalhão...fiquei até me sentindo mal quando sobrei e perguntei para o garçom o que faziam com a comida que sobrava...que me disse que eles doam a comida em boas condições para instituições de caridade e que a misturada é usada de comida para a criação...menos mal.



De sobremesa resolvi inovar e pedi um Sorvete de Tapioca, com calda de tangerina e crocante de coco queimado...estava divino, isso sem contar a apresentação do prato que era muito bonita...a foto não faz jus pois estava escuro e minha máquina não é uma Brastemp, mas é só para vocês verem.



E assim acabou o primeiro dia...exaustos, enfastiados e dormindo na cama da pousada para começar tudo de novo no segundo e último dia.
Te vejo amanhã.

quarta-feira, 26 de março de 2008

Alho assado

antesdepois


No jantar mexicano eu fiz um prato que, na verdade não tem nada de mexicano (eu acho) mas que me deu muita vontade e achei que combinava com a ocasião, daí resolvi colocar ele separado aqui para contar a história dele, pois toda comida para mim tem uma história...

É bem simples, mas vale ser contada. Eu sempre tive um sonho, desde que me conheço por gente, de conhecer a Disney, e ano retrasado, pela primeira vez e já depois de adulta, fui realizá-lo, a viagem foi um sonho, como vocês devem imaginar, mas em compensação a gente passava o dia todo nos parques e só comia hamburguer (a não ser o dia do Epcot que experimentei o Tiramisù, lembram. Pensa bem...10 dias depois eu já estava quase subindo pelas paredes de vontade de comer uma comida decente...

Daí uma noite resolvemos sair para procurar esta comida decente e fomos num restaurante em Downtown Disney chamado Portobello Yacht Club, um restaurante italiano que nos serviu uma refeição muito boa, mas daí 2 anos depois você para e se lembra daquela noite e vê que o que te faz lembrar do sabor daquele lugar não era o prato principal, e sim o couvert que nos foi servido antes e que não poderia ser mais simples...uma cabeça inteira de alho assada com azeite e um pão quentinho...

O couvert deve fazer tanto sucesso que, junto com ele já trazem um papel com o logo do restaurante e a receita escrita...é lógico que trouxe isso comigo, mas nunca mais tinha pego nele...até a noite do jantar mexicano, quando resolvi arriscar.

Então aqui vai a simplicidade da receita:
Pegue umas 4 cabeças inteiras de alho e com a ajuda de uma boa faca tire um pedaço do topo dela, como se fosse uma tampinha, para os dentes de alho ficarem expostos como estão na foto (sem desperdiçar muito alho).
Coloque todas as ccabeças de alhi numa panela (eu usei uma de ferro daquelas rústicas) e regue todas com 1/2 copo de azeite e depois complete a panela com água até atingir um pouco mais que metade da altura dos alhos.
Tampe a panela e leve ao forno mais quente que você tiver (pois a receita pede 325graus...o meu só ia até 280graus então deixei um pouco mais de tempo) por cerca de 2 a 3 horas, até que ele esteja bem marronzinho, mole e a água seca batante, sobrando só um azeite bem grosso que encorpou.
Daí basta servir com um pão bem gostoso como couvert.

Agora eu sou internacional também




Isso mesmo. agora faço parte das Cozinhas do Mundo...amei o convite.
Elvira, muito obrigada e sejam bem-vindos amigos.

Receitas do Jantar mexicano

Como eu tinha prometido, aqui está a receita do guacamole e das margaritas que fizemos no jantar mexicano aqui em casa no final de semana. Ambos foram retirados do livro Cozinhando para Amigos da Heloísa Bacellar, que eu adoro.

No capítulo que ela dedica à comida mexicana, ela começa dizendo assim: "Uma casa alegre e colorida, com pimentas e cactos por todo lado. Uma taça larga, tendo um ligeiro cristalizado nas bordas umedecidas com limão e passadas no sal, dá as boas-vindas: é a margarita, um coquetel que leva tequila (aguardente feita de um agave mexicano), limão, licor de laranja e gelo. Com exceção da sobremesa, tudo vai à mesa de uma só vez, em muitos potinhos e cestas. Na hora de montar o taco (espécie de sanduíche mexicano) cada um recheia a sua tortilla com um pouco de carne ou frango e colheradas de dois ou três destes acompanhamentos..."

Sem querer acabei fazendo tudo isso...coincidência?

Guacamole:
2 abacates médios bem maduros
suco de 1 limão
2 tomates bem vermelhos sem sementes em cubinhos
1 cebola pequena picadinha
1/4 de xícara de uma mistura de folhas de salsinha e coentro picados (aqui foi só salsinha pois odiamos coentro)
sal e molho de pimenta vermelha

Preparo:
Corte os abacates ao meio, retire os caroços e um deles será colocado dentro da vasilha com o guacamole (pois ajuda a manter o abacate verde por mais tempo, senão ele escurece).
Esmague com um garfo a polpa dos abacates sem deixar muito liso a mistura. Junte todos os outros ingredientes e misture. Ponha tudo na tigela com o caroço e passe filme plástico. Pode ficar na geladeira por até 4 horas, depois começa a escurecer (eu preparei minutos antes dos convidados chegarem...deixei tudo picado e na geladeira e só misturei o abacate na hora).


Margaritas:
1 e 1/2 xícara de Tequila
3/4 de xícara de suco de limão
1 xícara de lico de laranja (Contreau)
cubos de gelo
limão e sal para cristalizar as bordas dos copos

Preparo:
Para cristalizar as bordas dos copos, coloque um pouco de sal num prato fundo, umedeça as bordas das taças com o limão, encoste bem de leve no sal e reserve.
Uns 5 minutos antes de servir, coloque os ingredientes numa coqueteleira ou no liquidificador, bata até espumar e despeja nas taças.

terça-feira, 25 de março de 2008

Carinho de Portugal!

Tô ficando mimada...pior é que se parar depois vou entrar em síndrome de abstinência...risos.

Falando sério agora...acabei de receber esta tarde um pacote que veio lá de além mar...de Portugal, direto da casa da Filipa para a minha...e que muito me fez feliz...assim como todo presente, mas olha o carinho da pessoa, que me mandou uma cartinha muito fofa com biscoitos de manteiga, um chá dos Açores e um bolinhos típicos.

O pacote me chegou bem no finalzinho da tarde...então querida amiga Filipa, já fiz o chá, servi com os quitutes para mim, meu marido e minha filha e fizemos um lanche divino que eu comi quase ajoelhada de tão bom...o biscoitinho de manteiga tem um toque de laranja maravilhoso...olha a cor deste chá...e o bolinho tem um cheiro que me lembra a minha infância...sei que já comi isso em algum lugar mas não me lembro onde, mas reconheci o aroma.

Bom...e assim como deixei uma mansagem de Sócrates para a Taty...deixo aqui para você uma frase de Mário Quintana para te dizer o quanto foi importante o seu gesto:

"A amizade é um amor que nunca morre"

Desta vez deu certo...saindo do mundo achatado

Lembram daquele suspiro que, apesar de delicioso, tinha ficado achatado porque eu não tinha dado o ponto correto?
Pois então...hoje me aventurei de novo com as claras que ainda tinha na geladeira e olha a surpresa...DEU CERTO...ebaaaa.

Aliás, desta vez coloquei raspas de limão e ficou ainda mais gostoso.

Restaurante - Porto Ferreiro (Recife)

Vou começar este post dizendo uma única palavra...ESPETÁCULO...isso mesmo...o restaurante Porto Ferreiro, ali do lado da Casa dos Frios na Rui Barbosa é um espetáculo. Quem mora aqui em Recife e nunca foi...vá.

Ontem foi aniversário do meu marido e o levei lá para comemorar...como presente, pois haviam me dito que era ótimo e também bem carinho...hehe. Fomos jantar lá então...deixa só eu ontar na ordem como foi.

Primeiro chegamos num lugar muito gostoso...música de fundo e ambiente agradável, mesas bem dispostas, paredes com grandes arcos de vidro para se ver a linnda árvore do lado de fora toda com luzes enfeitando...muito bonito.

Toalhas de mesa lindas, louça...tudo perfeito.

Ah!!! e os garçons então? Uma simpatia...todos sorrindo, perguntando se estávamos sendo bem servidos, mimando a Sarah...

Eu pedi um champagne com morango (uma taça) - não sei qual champagne seriram, pois não vi, mas sei que era de boa qualidade pelo paladar, o Frederico bebeu cerveja.

Daí assim que acabamos o creme de batatas, serviram uma outra entrada quente...era um pires com uma espécie de uma bolinha de carne temperada muito macia e ao ponto no centro com um molho de mostarda...mais uma vez...um ESPETÁCULO.

Dai chegou a hora de pedir o jantar.
O Frederico escolheu uma picanha ao ponto com aspargos frescos grelhados...eu nunca tinha experimentado aspargos frescos, mas sempre vejo o Oliver fazer no programa dele, então estava curiosa e experimentei...uma delícia, devo fazer aqui em casa em breve.
Eu pedi um Capeletti ao molho quatro queijos com camarão e tenho que confessar...o prato estava tão bem servido que não dei conta de comer tudo. Haviam camarões ENORMES no prato que mais pareciam lagostim de tão grande e estavam deliciosos. O Fred também experimentou o meu e amou.

Por fim eu não poderia fechar a noite melhor...falei para o Frederico antes de ir que tinha um sonho de experimentar uma sobremesa que sempre quis comer mas nunca achava nos cardápios dos restaurantes onde íamos e daí quando abri o de lá...eba!!!! não é que tinha?
Nem olhei o resto...pedi logo o famoso CREME BRULÉE...gente...que delícia, que sobremesa suave. Não é doce demais e aquela casquinha do açúcar queimado...hum!!! dos Deuses.
Sem comentários.

E olha...vou confessar uma coisa...nem achei a conta tão cara assim...é lógico que não é o mais barato, mas pelo serviço que tivemos, valeu cada centavo.

Para fechar a noite, quando pedimos a conta o garçom nos traz 2 coquetéis "cortesia da casa" para experimentarmos...eu já não queria perder o sabor da sobremesa então só dei um golinho, mas era bem diferente. Champagnhe, vodka e limão, mas pareciam congelados, tipo um frozen...bem azedinho e geladinho...gostoso.

Começei e acabo dizendo ... ESPETÁCULOOOOO....Porto Ferreiro...NOTA 10.

Daí, sem que a gente faça nenhum movimento eles servem um couvert e uma entrada quente: o couvert eram grissinis, pães, bacalhau desfiado, um presunto bem fininho temperado, azeitonas, alho assado, queijo branco, um patê de sardela que estava uma delícia e manteiga.
E a entrada quente era uma xícara pequena (destas de tomar café) com creme de batata (tipo uma sopinha de batata bem temperadinha que estava uma delícia). A Sarah amou a sopinha e como eu sabia que ela não ia jantar um prato, pedimos ao garçom se ele poderia trazer só um pouco desta sopa para ela no que fomos prontamente atendidos...ele trouxe um consumê com a sopa (que diga-se de passagem, não foi cobrado depois).

segunda-feira, 24 de março de 2008

Jantar mexicano.

Nossos convidados (Ana Paula e Gugu, Claudio e Claudia)

O jantar mexicano foi fantástico, como toda recepção que a gente faz na nossa casa, deu muito trabalho, pois a gente sempre quer que tudo saia perfeito, ainda mais eu que quero tudo combinando, gostoso, aconchegante, fico querendo que os convidados saiam achando que a noite foi maravilhosa, mas é um trabalho que me dá prazer, poderia fazer isso todo fim de semana se tivesse dinheiro...risos.

Os preparativos começaram já na quinta-feira, pois fui na Casa dos Frios e comprei todos os ingrdientes importados que eu precisava...caixa de tacos prontos, massa das quesadillas, molho picante, mistura de tempero para carne do taco.


Depois fui ao supermercado para as outras compras...carne moída, tomate, alface, milho verde, cheddar, camarão, cerveja Sol, contreau para as margaritas (pois a Tequila o Frederico tinha uma José Cuervo que tinha trazido do México quando foi para lá) e acabei até comprando uns copinhos de dose de tequila, onde mais tarde fizemos mini margaritas que ficaram demais.



As mini margaritas.

Sexta-feira foi dia de separar louças que seriam usadas, picar tudo que poderia ser picado, e saí também para comprar coisas para a decoração. Comprei umas flores lindas, vermelhas, e comprei uma lona toda listrada para fazer um “caminho de mesa” e daí coloquei jogos americanos amarelo e cor de laranja intercalados na mesa com guardanapos de pano coloridos também (vermelhos e laranjas), tudo bem colorido para combinar com o tema. Tinha umas argolas de prender guardanapos que comprei em Olinda e eram bem rústicas e junto com os guardanapos coloquei uma pimenta para enfeitar...ficou muito bonitinho. Tinha também uns copinhos de vela das cores que escolhi para a mesa e que também deram um clima no ambiente. No meu buffet joguei só uma toalha amarela onde coloquei uma bandeja com as bebidas e copos.




Fiz umas plaquinhas com espetinho de churrasco, com os nomes das comidas para colocar nas vasilhas.



Nossos amigos se divertiram, comeram e beberam muito e fiquei muito feliz com o resultado. O cardápio tinha

Cerveja Sol com limão
Mini margaritas
Tequila
Tacos (que deixei só as massas para cada um rechear como quisesse e daí coloquei os acompanhamentos separados)
Carne moída apimentada
Camarão frito
Tomate
Alface
Milho verde
Alho assado
Molho picante
Quesadillas de cheddar com tomate e cebolinha
Nachos
Guacamole
Tortillas



Tudo muito gostoso e feliz, mas sempre tem que dar alguma coisa errada né? Senão não tem nada para a gente lembrar e rir depois...pois ficamos bebendo e conversando até 3 da madrugada e chovia bastante aqui em Recife..aliás choveu o final de semana todo. Quando o primeiro casal foi embora ainda estava fraca a chuva, mas quando o segundo casal resolveu ir a chuva tinha subido pela rua até a altura das janelas dos carros e não tinha como sair do meu prédio, então eles voltaram, armei o sofá-cama e eles e a filha deles tiveram que dormir aqui em casa. No dia seguinte desceram com potes vazios para tirar a água do carro para poderem ir embora.

Servi de sobremesa o quindim que tinha feito e o merengue de morango, mas para dizer a verdade a galera nem ligou muito pra o doce pois era um dia anunciado para “chapar o coco”...risos...então ninguém queria glicose...hehe

Amanhã coloco a receita do guacamole e das margaritas que fiz.

domingo, 23 de março de 2008

Café surpresa da Sarah!!



Tenho muitas coisas para contar para vocês do jantar mexicano, que foi uma delícia, mas hoje é um dia especial...Páscoa...e apesar de eu não ser católica sempre gostei de comemorar...aliás, gosto de qualquer data comemorativa, e sinto muito pelas pessoas que acham que Páscoa e ovos de páscoa e tudo isso é só um jeito de vender e ganhar mais dinheiro com a produção de chocolate, para incentivar o consumo desenfreado e blá, blá, blá...EU AMO...COMPRO MESMO...GASTO MESMO...risos.


Então há meses venho comprando toda a decoração do café surpresa que ia fazer para a Sarah no domingo de Páscoa...comprei canecas e jogo americano combinando, arranjo de flor artificial, cestinha de porcelana de colocar chocolate, coelhinhos, caixa de presente para o ovo, guardanapos e tudo mais...daí hoje acordei acabada depois da festa de ontem...fiquei 3 horas lavando toda a louça, cozinha e adjacências e fui preparar a mesa do café antes dela acordar...tudo muito simples...tostex de queijo e tomate, bolachas e deditos de chocolate, bebida de chocolate da Hersheys para ela e só...e foi muito especial e muito gostoso...ela amou.

Olha o guardanapo que mimo.
Feliz Páscoa a todos e aguardem amanhã...tudo sobre o jantar mexicano.

sexta-feira, 21 de março de 2008

Feliz Páscoa com Muffins de pimentão vermelho e mussarela de búfala



Ontem fiz mais uma receita de muffin do meu livro de muffins do Le Cordon Bleu que já mencionei antes, só que desta vez optei por uma receita salgada...meu paladar estava pedindo um salgado depois dos quindins e dos suspiros.

Então escolhi uma receita de Muffins de Pimentão vermelho com Queijo Feta, mas como procurei por todo lugar e não achei o famigerado queijo, troquei por mussarela de búfala desta vez, também ficou muito bom.

A receita, como todos os muffins que conheço e que já coloquei aqui é super simples:

1 pimentão vermelho grande
300 g de farinha de trigo com fermento
75 g de farinha sem fermento
1 pitada de sal
150 g de queijo mussarela de búfala despedaçado pequeno
2 ovos
250 ml de leite
125 g de manteiga derretida

Preparo:
Pré-aqueça o forno a 210 graus, unte um tabuleiro de uns 18 muffins médios (foi o que rendeu o meu).
O pimentão deve sofrer aquele processo que expliquei quando fiz o patê da minha recepção aqui, faça todos os passos para tirar a pele e as sementes e depois é só picar para usar na receita dos muffins.
Peneire as farinhas e o sal em uma tigela, misture com o pimentão picadinho e o queijo e faça uma cova no centro.
Bata os ovos com o leite e jogue, junto com a manteiga, no centro dos ingredientes secos. Mexa com uma colher de metal até estarem todos os ingredientes combinados, mas sem misturar demais - a mistura deve ficar com grumos.
Encha as forminhas e asse até que um palito introduzido no centro saia limpo.
Deixe os muffins na forma 5 minutos, antes de os retirar e colocar sobre uma rede para arrefecer.


Uma dica é colocar um pouquinho mais de sal do que o costume, pois o queijo não tem sal e o pimentão fica adocicado e o meu ficou um pouquinho sem sal para o meu gosto.

Fiz uma arranjo bonitinho de Páscoa para tirar as fotos e tive a idéia de embrulhar alguns muffins num tecido que tinha aqui para presentear algumas pessoas queridas que não ligam muito para chocolate...será que elas existem??? haha.




Feliz Páscoa para vocês...e amanhã tem o maior festa mexicana aqui em casa.

quinta-feira, 20 de março de 2008

Bem vindo ao mundo achatado...estou rindo muito.

É...eu não desisti da cozinha, depois de meus assumidos dois fracassos seguidos e fui à luta...e o que se faz com tudo aquilo de clara de ovo que sobrou das gemas que usei no quindim? Eu só conheço duas opções: pudim de clara ou suspiro...



Pudim de clara não ia rolar, porque já estou com a geladeira cheia de quindim e mais um doce para uma família de 2 adultos e uma criança não dá...já o suspiro, além de poder guardar por mais tempo tem um apelo emocional fortíssimo...era o doce que minha avó fazia para a gente quando éramos crianças...eu e minha irmã...ela chegava lá em casa com aquela latinha cheia de suspiros...crocantinhos por fora e molinhos por dentro e era demais...mas eu nunca fiz suspiros...então...bem-vindos ao meu mundo achatadinho...risos

É que o quindim já tinha ficado achatado né? Daí fiz o suspiro como mandava na receita, mas acho que não dei o ponto exato para ele ficar mais durinho e fazer picos...e quando coloquei a massa na forma ela se espalhou e fez um disquinho, mas a consistência crocante por fora e molhadinha por dentro foi a mesma e o sabor também...voltei uns 10 anos no tempo.

Super simples a receita:

1/2 xícara de clara de ovo
1 xícara de açúcar
e eu coloquei um pouquinho de essência de baunilha só para dar um cheirinho.

Bata as claras na batedeira até começar a espumar e acrescente 1/3 do açúcar e bata até começar a ficar firme, então vá acrescentando o açúcar aos poucos até fazer picos que não caiam das pás da batedeira.
Depois é só fazer as bolinhas com a ajuda de uma colher numa forma forrada com papel manteiga e assar em forno a 180 graus até que fiquem firminhos mas ainda bem branquinhos.

Espere esfriar, desgrude do papel com a ajuda de uma faquinha ou espátula passando por baixo e coloque numa lata fechada para não murchar.

Será que vou conseguir sair do mundo achatado? hahaha

Quindim da Marilda.



Vamos começar do começo...quando conheci meu marido ele sempre dizia que o doce preferido dele era quindim, mas não qualquer quindim...o "quindim da Marilda". A Marilda é uma amiga dos nossos pais e que cozinha divinamente e ela havia feito este quindim algumas vezes e ele comeu e o elegeu o melhor de todos, tanto que toda vez que a gente saía ele comia um quindim em algum lugar e dizia..."é bonzinho, mas não é igual o da Marilda".

Não precisa nem dizer né...ele foi fazer um intercâmbio de um mês nos EUA e eu preparei uma festinha para ele quando ele voltou e lá fui eu com ingredientes embaixo do braço, pedir para a Marilda me ensinar a fazer o tal quindim.

Me lembro até que pregamos uma peça nele, pois quando ele chegou na festa e viu os quindins e viu a Marilda, já tratou de comer logo e dizer para ela que estava divino, mas quem tinha feito aquele?....EU...YES...

Só que hoje tive vários problemas logísticos...risos...parece que eles estão me perseguindo estes dias...mas nem ligo...cozinho assim mesmo...uma hora passa.

Começou que eu já não fazia esta receita há uns belos 10 anos...então minha memória já não era aquela...dei uma lida na receita e fui fazer...a receita é assim.

Receita:
1/2 Kg de açúcar
1 e 1/2 copo americano de água (sem encher até a boca)
2 colheres de sopa de manteiga ou margarina
16 gemas sem pele e passadas pela peneira
1 xícara de coco fresco ralado

Preparo:
Colocar o açúcar e a água numa panela e mexer até misturar, depois ligar o fogo e não mexer mais até atingir o ponto de fo brando (o que no meu fogão demorou cerca de 40 minutos em fogo baixo)

Quando atingir este ponto, desligue o fogo e misture as duas colheres de manteiga na calda ainda quente e deixe esfriar (e daí veio meu primeiro erro do dia...eu simplesmente esqueci da manteiga e deixei a mistura lá esfriando, quando voltei era um monobloco de açúcar empedrado...açucarou tudo e no desespero fui ver a receita de novo e lembrei da margarina...isso Fernanda, parabéns...joga tudo fora e começa tudo de novo)

Daí veio o segundo problema, pois meu açúcar tinha acabado e pedi para minha secretária do lar ir comprar para mim no supermercado da esquina e a danada me volta com açúcar cristal...sabe aquela vontade que você está de fazer a suspresa para agradar o marido e não quer mais esperar, ainda mais porque já tinha passado uma hora fazendo a outra calda e queria acabar logo? Pois é...a pressa realmente é inimiga da perfeição...fui eu fazer a calda com o açúcar cristal.
Se já achava difícil dar ponto com o açúcar branco imagina este...deixei os mesmos 40 minutos e a calda estava mais líquida...porém muito mais bonita para dizer a verdade, e esperei mais alguns minutos e desliguei...desta vez sem esquecer a manteiga...e deixei esfriar.

Depois de frio misturei as gemas e o coco ralado nesta mistura e fui despejando em forminhas untadas com manteiga e açúcar (tem que estar muito bem untada tá?).

Coloque as forminhas numa forma em banho-maria em forno pré-aquecido até dourarem por cima...meu forno demora bastante então nem adianta dar o tempo para vocês, mas ela tem que ficar bem dourada...a casquinha fica dura em cima.
Daí você tira do forno e espera esfriar para desenformar...
do muita água na forma do banho-maria (pois no final já estava quase secando) ou as duas coisas juntas...só sei que a parte de baixo da forminha não cozinhou o suficiente...pois o coco sobe e fica lá na casquinha e a parte líquida fica embaixo para fazer aquele creme do quindim, mas quando eu desenformava...esta parte estava líquida ainda e escorria pela mão...então ele ficou lindo, saboroso, mas com pouca parte de cima...ficou raso...estou inconformada...tão inconformada que acho que vou fazer tudo de novo hoje para ver se acerto. Mas eu já cmi uns 3 e estavam muito bons.

Certo, os deuses realmente não estão colaborando comigo estes dias, o sabor ficou incrível, mas os quindins ficaram rasos...mas a receita é boa...então se quiserem experimentar, depois me contem se deu certo.

domingo, 16 de março de 2008

Amizade.

Tenho uma amiga muuito querida que uma vez me deu o cartão com um pensamento que nunca mais me esqueci e costumo citá-lo sempre que um amigo me comove...e hoje é um dia destes, então vamos lá.

"Todos os homens têm manias; uns gostam de cavalos; outros de cães; outros querem ouro, outros, honraria. Quanto a mim, nenhuma destas coisas me atrai. Mas tenho paixão por amigos." (Sócrates)

Pois a Taty, que é uma amiga de muito pouco tempo mas já muito querida, sabendo que uma amiga vinha este fim de semana para Recife, pediu que ela me trouxesse um presente que acabei de buscar no hotel e fiquei muito feliz...o carinho já começa na caixa, que veio toda enfeitadinha com os selos da marca dela (Choco Taty) e dentro da caixa um monte de mimos para a Páscoa...além de uma cartinha super fofa.






Tinha:
1) 4 cenourinhas de coco e nozes (aliás eu e a Sarah já comemos uma e estava divina
2) Rosquinhas de nata
3) Muffins de chocolate com enfeitinhos de cenourinhas
4) Ovinho surpresa cheio de amendoim achocolatado
5) Uma caixinha de fósforos com manta magnética atrás para colocar na geladeira que é muito fofa.

Taty, amamos tudo, já comemos cenourinha e rosquinhas e a Sarah tá achando que é Natal aqui hoje...risos...
Quero a receita de tudo depois...hahaha
Amei o seu capricho e saiba que meu dia hoje foi mais feliz e especial por conta da sua amizade...espero te conhecer pessoalmente um dia.